Buscar
  • Studio 3R

AB Rodofort importa pneus da Índia para suprir falta no mercado brasileiro



Não é novidade para ninguém que a falta de componentes na indústria se tornou uma dura realidade no mercado brasileiro. No segmento de implementos, a escassez de pneus tem sido um dos grandes desafios enfrentados pelas fabricantes. Na tentativa de contornar este desafio, a Rodofort passou a importar pneus da Índia.

“Nesse momento de escassez é preciso conhecer bem o mercado internacional para saber aonde buscar a melhor solução”, diz Alves Pereira, diretor-geral da Rodofort. “Nosso departamento de Compras mantém-se atualizado sobre a indústria mundial”, completa.

Agora no mês de maio, a implementadora paulista recebeu o primeiro lote de pneus para equipar os semirreboques que estavam no pátio aguardando a entrega final ao cliente. Outros quatro contêineres com um total de 1.500 pneumáticos estão previstos para chegar em julho. “Não teremos produtos customizados por causa da falta de componentes, mas sim opções para que eles não parem de transportar cargas”, afirma o executivo.


Em 2020 a empresa tentou realizar a importação direta, mas as taxas tornaram a operação inviável. Agora, com o apoio de tradings especializadas em comércio internacional, a importação se concretizou.

Segundo o executivo, uma série de fatores foram decisivos para a escolha dos pneus indianos. “Há fabricantes inseridos em países com o clima semelhante ao nosso, como a Índia, e os pneus produzidos nesses locais tendem a sofrer um processo similar de desgaste aos fabricados no Brasil”, diz. Outro ponto importante é que a qualidade dos pneus importados melhorou muito ao longo dos últimos anos.


Além da Índia, China e Vietnã também contam com potenciais fornecedores. “No mundo globalizado ninguém fabrica nada exclusivo para o mercado doméstico. É preciso ter produto adequado para ganhar o mercado externo”, assinala Alves. Com isso, na prática, a Rodofort desenvolve novos fornecedores, que poderão se tornar mais conhecidos e respeitados no mercado brasileiro, tornando-se opções constantes, mesmo com o mercado equacionado; além de manter o atendimento aos seus clientes nesse momento.


Fonte: Caminhões e Carretas

0 visualização0 comentário